Notícias

Categoria

PSICOLOGIA-TRABALHANDO DOR X TREINOS

Um estudo recente publicado pela revista Psychological Science e realizado por Flávia Mancini, da University College London, mostrou que é possível diminuir a percepção de dor das pessoas. Mas como isto ocorre?

Colunistas - 30/jun/2020

Um estudo recente publicado pela revista Psychological Science e realizado por Flávia Mancini, da University College London, mostrou que é possível diminuir a percepção de dor das pessoas. Mas como isto ocorre?

Para um melhor entendimento, vamos exemplificar com duas situações, mostrando que podemos “enganar” o cérebro e obter um melhor rendimento. A foto a direita ilustra um estudo sobre o membro-fantasma, desenvolvido pelo neurocientista Vilayanur S. Ramachandran, professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Graduação em Neurociência da Universidade da Califórnia. O membro-fantasma ocorre em pessoas que tiveram uma parte qualquer do corpo retirada, mas continuam sentindo-o como se ele estivesse ali. A sensação da presença do membro ou do órgão após a sua perda é descrita por quase todos os doentes que sofreram amputação e muitas vezes, vem associado a dor, que varia em intensidade e duração de caso para caso. Loucura, não? Como uma pessoa pode sentir um membro sem tê-lo? A resposta está no cérebro.

Baseado em relatos de pacientes com a manifestação do membro-fantasma, Vilayanur descobriu que é possível diminuir a dor utilizando um espelho. Através desta experiência, ele verificou que uma pessoa pode enganar o cérebro ao ver o reflexo do membro que não foi amputado. A foto acima ilustra bem a situação: o braço esquerdo da paciente foi retirado. Ao colocar o braço direito, que está normal, em frente ao espelho, a paciente passou a sentir menos dor. Com o reflexo no espelho, o cérebro da moça interpretou que o braço esquerdo estaria ali e sua percepção de dor amenizou.

A pesquisa realizada por Flávia Mancini utilizou o mesmo princípio de Vilayanur. Desta vez, a cientista utilizou a técnica para verificar o limite de resistência ao calor das pessoas submetidas a determinadas temperaturas. A experiência foi realizada em dois momentos; no primeiro, as mãos da moça (foto) foram colocadas lado a lado e separadas por um espelho. Sobre a mão direita, foi posto um bloco de madeira, cujo reflexo no espelho era observado pela moça. Enquanto isso, o braço esquerdo, que estava escondido atrás do espelho, recebia calor a determinadas intensidades. O resultado foi que a moça sentiu menos dor. A outra situação foi com um espelho côncavo, que aumentou o tamanho da mão. O resultado foi que a moça podia suportar 4 graus a mais. O que podemos concluir a partir dos estudos acima é que em relação a dor, nós podemos “enganar” o cérebro.

Então caro atleta, se durante um treino você sentir dor, ou ainda estiver desmotivado e exausto, tente imaginar que você está bem. Se estiver na academia malhando e não conseguir mais acompanhar o ritmo do professor, tente ver alguém que está muito bem e imagine que aquela pessoa é você. Os estudos indicam que quanto maior for a nitidez da sua visualização em relação a você ou de outra pessoa realizando a atividade, maior será a facilidade de executar a tarefa. Assim também vale para a dor física e psicológica. O sucesso dos atletas de alto rendimento é que eles sempre procuram visualizar o melhor, buscando superar os limites da dor e a perfeição para atingir o sonho que sempre buscaram realizar. Autor: Emílio Takase. Psicólogo. Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina com mestrado e doutorado em Psicologia Experimental pela Universidade de São Paulo.

Fonte: proximus

Repensemos…

Repassando – José Carlos Varela
Professor de Educação Física, Especialista em Treinamento Desportivo e Personalizado. CREF 014099-G/PR.

Treinador Federação Paranaense de Atletismo – FPA
Confederação Brasileira Atletismo – CBAt – IAAF Nível 1- registro n.o 1084
Atleta Corredor Maratonista FPA e CBAt registro nr. 2364
34 MARATONAS e 2 SUPERMARATONAS DE 50 KMS ATÉ novembro de 2017: Aqui
Proprietário da Varela Esportes Assessoria Esportiva (www.varelaesportes.com.br).
CREF 003410-PJ/PR – CONFEF: Aqui

Notícias Relacionadas

DOR E NERVO CIÁTICO

Um estudo recente publicado pela revista Psychological Science e realizado por Flávia Mancini, da University College London, mostrou que é...

Colunistas - 04/ago/2020

CORREDORES E LESÕES

Um estudo recente publicado pela revista Psychological Science e realizado por Flávia Mancini, da University College London, mostrou que é...

Colunistas - 04/ago/2020

DOR MUSCULAR E TREINAMENTO

Um estudo recente publicado pela revista Psychological Science e realizado por Flávia Mancini, da University College London, mostrou que é...

Colunistas - 04/ago/2020